Ao destino ninguém foge: vai cumprir-se o ideal - um tempo novo paira...
31
Ago 13
publicado por José Carlos Silva, às 18:16link do post | comentar

Album de António Meireles (presidente de junta de freguesia de Caíde e candidato a vereador à CML).

 


30
Ago 13
publicado por José Carlos Silva, às 21:43link do post | comentar

 

_MG_2225

 

Leonel Vieira vai criar marca Lousada de forma a promover pequenas e micro empresas do concelho e propõe-se a uma aposta forte no turismo

 

O investimento no que de melhor há em cada concelho, em cada região, deve ser uma prioridade. É a pensar nisso, que a coligação Lousada Viva está a trabalhar, de forma a promover o que de melhor se faz e existe no município.

Lousada tem produtos de qualidade, mas que não são reconhecidos como tal. A falta de uma marca própria que os distinga dos outros é fundamental. Nesse sentido, Leonel Vieira, vai criar a marca “Lousada” que será composta por produtos de qualidade do concelho.

Estes serão promovidos de forma ativa, ajudando as pequenas e micro empresas, os agricultores, artesãos e outras empresas do concelho a promover o que é seu.

Segundo Leonel Vieira, está na hora de reconhecer e distinguir as potencialidades e qualidade dos produtos de Lousada, pois só apoiando aquilo que o concelho tem de melhor, se conseguirá o real reconhecimento. “No nosso concelho, temos produtos de qualidade. No entanto, estão espalhados, cada um trabalhando por si. Considero fundamental que seja criada uma marca “Lousada” para que o reconhecimento pelos nossos produtos, que são de qualidade, sejam reconhecidos, quer dentro, quer fora do país. Com a criação desta marca, estou convencido que todos os produtores e comerciantes do concelho sairão beneficiados”, disse.

Consciente das potencialidades do concelho, a nível turístico, Leonel Vieira considera que essa capacidade também deve ser aproveitada. Nesse sentido, propõe-se criar um Plano Estratégico de Turismo Municipal. Um plano que servirá para a implementação e planificação de eventos e iniciativas que tragam turistas a Lousada durante todo o ano.

A aposta na afirmação da gastronomia como produto turístico de excelência e na promoção do turismo rural, arquitectónico, cultural e religioso serão uma realidade. “Lousada é rica em património material e imaterial. Desde a gastronomia, à cultura, o concelho está bem dotado. Por isso, devemos aproveitar o que de melhor temos e o que de melhor se faz no concelho para promover o que é nosso e, dessa forma, atrair turistas ao concelho. Com este plano, trabalharemos para ter turistas o ano todo e não só em alturas específicas do ano”, frisou.


publicado por José Carlos Silva, às 19:30link do post | comentar

Foto


29
Ago 13
publicado por José Carlos Silva, às 15:49link do post | comentar

Quando falamos da vida e da sua beleza só a sentimos assim até ao momento em que a mesma corre bem, tal como o caudal de um rio que olhamos correndo sereno para a foz.

Quando falamos da vida e da sua beleza só a sentimos até ao momento em que a mesma não se altera, em que os sorrisos de todos os dias nos preenchem, as pequenas ou grandes chatices nos incomodam, os problemas dos nossos familiares, dos nossos filhos, dos nossos amigos, daqueles quem amamos ou de quem gostamos, nos preenchem e ocupam a nossa rotina.

Quando falamos da vida e da sua beleza só a sentimos assim até ao momento em que algo se prolonga indefinidamente: no nosso trabalho, no nosso lazer, no nosso quotidiano.

Mas quando falamos da vida e da sua beleza num contexto em que cada momento é um pretexto de despedida, partindo-se do princípio que essa é a melhor atitude a ter, dada a iminência da provável fatalidade, pois a efemeridade anunciada foi investida de uma fragilidade assaz periclitante.

Neste contexto todas as manhãs são sorrisos e quando a noite retorna não é noite mas um cântico de redenção, pois o tempo é um bem incomensurável.

Aí percebemos quão frágil é o sonho! Aí percebemos quão frágil é a sensação de existir. Aí percebemos quão curioso é o ser humano quando confrontado entre o «existir» e o «não existir», entre o «permanecer» e o «partir» e o estreito percurso de um labirinto percorrido em que o desespero e a angústia predominam.

Ser caminheiro durante um espaço temporal de dias, semanas ou meses – curtos, médios ou longos – de um caminho de labirintos e incertezas, de manhãs cinzentas, de manhãs frias ou lindas de sol, de fins de tarde anunciando outro dia, mergulhar na noite na impaciência da incerteza, despertar de novo para um novo dia e olhar-se ao espelho reganhando forças para persistir.

Repetir a monotonia dos dias, a sua incerteza e aguardar a esperança num sorriso. Porque nestes casos é a esperança que resta. A esperança a calma suave de nunca deixar transparecer a angústia da «despedida» e a terrível fragilidade da «efemeridade» que somos. Porque à nossa volta tudo tem de se manter quieto, sereno, perfeito, como sempre foi.

A perceção da transitoriedade e que tudo se pode esvair é uma estranha sensação. A vida, realmente, não tem preço. Só quem realmente é confrontado com a circunstância da possível efemeridade consegue assimilar a assaz fragilidade do existir e a sua importância.

 


publicado por José Carlos Silva, às 15:14link do post | comentar

5 razões para não aderir ao programa de rescisões amigáveis de contrato

Ficámos a saber esta semana que o Governo prepara um programa de rescisões amigáveis de contratos dirigido aos professores dos quadros. Era de esperar. Os professores são o maior grupo profissional da administração pública e uma elevada percentagem deles está nos 8º e 9º escalões e a muito poucos anos da idade de aposentação.
À medida que o Governo se apercebe do fracasso do programa dirigido aos assistentes operacionais e aos assistentes técnicos, é natural que olhe para outros grupos profissionais.
Não me parece, no entanto, que a adesão vá ser grande entre os professores. Há 5 razões que explicam o muito provável fracasso do programa:
#1. Os professores que estão nos 8º e 9º escalões gozam de um salário muito acima da média, apesar dos cortes dos últimos 3 anos e apesar do congelamento salarial dos últimos 5 anos.
#2. Os professores dos quadros gozam de condições de trabalho bem melhores do que as que são oferecidas no setor privado. Mais dias de férias, reduções na componente letiva, um sistema de baixas mais generoso, acesso a destacamento por condições especiais, etc.
#3. Se no Estado, a coisa está cinzenta, fora dele está preta.
#4. Com a economia estagnada e o desemprego a atingir os 18%, a rescisão amigável corresponde à entrada num buraco negro sem que se saiba o que está do lado de lá.
#5. A confiança dos cidadãos no Estado é zero. É certo que essa confiança foi alimentada na base de mentiras e ilusões por políticos irresponsáveis que desprezaram o interesse nacional e o futuro das novas gerações. Os contratos que o Estado estabeleceu com os funcionários públicos estavam ancorados numa mentira que a matemática pôs a nu. Mais tarde ou mais cedo, a mentira tinha de ser revelada e denunciada. Contudo, nenhum dos docentes que vier a aderir ao programa de rescisões pode ter a certeza de que, quando chegar a altura, a Caixa Geral de Aposentações ainda existe. A probabilidade de entrar em insolvência aumenta à medida que o tempo passa. É legítimo, por isso, que os professores receiem que, uma vez fora do Estado, lhes venha a ser vedado o acesso à aposentação nos termos e nas condições esperadas.

publicado por José Carlos Silva, às 14:28link do post | comentar

 

_MG_0625

Candidato à câmara mostra espírito de equipa nas apresentações públicas dos candidatos às Juntas de Freguesia

Leonel Vieira tem marcado presença em todas as apresentações públicas dos candidatos às Juntas de Freguesia. O candidato da coligação Lousada Viva à Câmara Municipal de Lousada faz questão de estar presente porque, como refere, todos são uma equipa e é essa equipa que vai servir o concelho nos próximos anos.

Nas suas intervenções, Leonel Vieira recorda sempre o que esteve na base da escolha de cada candidato. Humildade, dignidade, espírito de entreajuda, força de trabalho e gosto pela freguesia foram os requisitos. “Nós escolhemos para a nossa equipa pessoas que gostam de trabalhar, que dão o melhor pela sua terra, que não atiram a toalha ao chão. E a escolha não foi difícil. Não tenho dúvidas que temos na equipa homens e mulheres de trabalho que darão o melhor pela sua freguesia e pelo concelho”, diz.

Por onde tem passado, Leonel Vieira é sempre brindado com centenas de pessoas que lhe mostram o seu apoio e é neste ambiente de confiança que o candidato expõe as suas ideias, os seus projetos. Para Leonel Vieira as pessoas são o centro das suas preocupações, tendo com pilares principais da sua candidatura a Educação, o Emprego e o Desenvolvimento Social. Segundo o candidato é “olhando para as pessoas, para os seus problemas que se consegue ajudar a resolver e minimizar as adversidades”.


publicado por José Carlos Silva, às 13:57link do post | comentar

Foto: Campanha em Meinedo, Pedro Passos Coelho, Tempo de Mudar!


publicado por José Carlos Silva, às 13:38link do post | comentar

tags:

28
Ago 13
publicado por José Carlos Silva, às 22:44link do post | comentar

Foto


publicado por José Carlos Silva, às 14:01link do post | comentar


mais sobre mim
pesquisar neste blog
 
Agosto 2013
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9


24



comentários recentes
Tão querido :')Beijinhos
Posts mais comentados
1 comentário
subscrever feeds